28 setembro 2009

O velho comunista se aliançou

Não é segredo para absolutamente ninguém que estou envolvido na campanha Autárquicas 2009 a um cargo numa Junta de Freguesia da minha área de residência. Muito menos que pela primeira vez acedi a um convite para fazer parte de uma Mesa Eleitoral e que finalmente disse "sim" a um envolvimento mais profundo nos jogos da pequena política. Da jornada eleitoral que hoje decorreu, poderia, caso tivesse tempo e arte, produzir posts em série. É uma experiência sociológica extraordinária, pelos bons e pelos maus motivos que daria matéria para dissertar sobre quem somos, como somos e como escolhemos o nosso futuro colectivo. Ficará para mais tarde. Ressalta deste dia singular algo que há anos me intrigava e que hoje pude testar laboratorialmente. A semelhança gráfica da simbologia de dois partidos políticos, no caso o Partido Comunista Português, cujo logótipo está inscrito no grafismo da coligação CDU e a da insígnia do PCTP-MRPP. Sei que em tempos esta questão foi discutida publicamente mas desconheço qual foi a conclusão da "briga" (que não deve ter sido relevante). A verdade é que sempre achei que a confusão seria fácil de estabelecer, principalmente por pessoas de menor acuidade visual ou com dificuldade de entendimento das respectivas siglas. Faz tempo que tinha arquivado esta questão nos meus pensamentos. Até hoje. Quando escrutinava os resultados da mesa, contados e recontados os votos de uma vitória comunista, dediquei-me à verificação dos votos inutilizados pelos eleitores. Eram sete, em duas mesas distintas, implantadas em zonas de tradicional influência comunista. Sete votos que foram inutilizados pelos eleitores e que foram entregues à mesa para que o respectivo boletim fosse trocado por um outro. É legítimo e é legal. Quantos desses votos tinham assinalada a quadrícula do PCTP-MRPP? Todos. Os sete. Voilá.

16 comentários:

Jozhe disse...

Isso é malta que vota cheia de pressa.

Xeon3D disse...

Tens de me dar umas dicas para alguém que nunca esteve atrás de uma mesa de voto. Daqui a 2 semanas calha-me a mim e não faço a minima ideia do que fazer.

botinhas disse...

Em tempos a CDU tinha o logo com a abelhinha e os favos de mel. Não foram muito longe porque os camaradas continuavam a votar na única foice e martelo disponível, aka, PCTP-MRPP!
Mas o mal deve ser endémico ao partido. Ontem, na aparição de Jerónimo de Sousa depois de conhecidos os resultados, este, o Jerónimo, encontrava-se em frente de um cartaz que tinha desenhada uma espécie de gaivota encarnada (WTF!?). Gaivota essa que estava mesmo por detrás da cabeça de Jerónimo, parecendo que este tinha umas antenas... :|

kincas disse...

Não era "suposto" os boletins de voto serem iguais em todo o País?

O "meu" não tinha essa ordem.

Pedro Aniceto disse...

Não, Kincas, não são iguais. Os boletins são emitidos por Círculo Eleitoral e não é obrigatório que se concorra a todos os círculos.

Pedro Aniceto disse...

Xeon3D, foste mandatado para que lugar da mesa?

Ricardo J Branco disse...

Obrigado pela explicação, estava com dificuldade de encontrar uma resposta para os 52.633 votos que teve o PCTP/MRPP.

Certo é que tão depressa não pretendem eleições, enquanto durar a legislatura, todos os anos terão a subvenção estatal, pouco mais de 3€/ano por voto.

Ricardo J Branco disse...

algo como 160.000€/Ano

Pedro Aniceto disse...

Eu não estou certo de que o que está escrito acima (subvenção) seja verdade em caso de NÃO eleição.

botinhas disse...

Obrigado pela explicação, estava com dificuldade de encontrar uma resposta para os 52.633 votos que teve o PCTP/MRPP.

Não esquecer o efeito Gato Fedorento... Deve.lhes ter valido pelo menos 20k votos!

Paulo Rui disse...

Hum...eu acho que nao deveria ter publicado o que aconteceu ou nao aconteceu na sua seccao de voto. Nao e' eticamente correcto. Primeiro, porque por principio, quem trabalha numa mesa de voto tem que respeitar o sigilo. Creio ate' que e' ilegal publicar a informacao que o Sr. acaba de publicar (vou averiguar isso, e se possivel, e se o Sr. nao retirar esta entrada no blog, farei queixa). Segundo, e mais grave, e' que nao e' justo para com as 7 pessoas que inutilizaram o voto, das quais o sentido de voto e' agora conhecido. O mundo e' pequeno mas o mundo-que-gira-'a-volta-de-uma-mesa-de-voto e' mais pequeno ainda.

Patricia Lousinha disse...

Que mal pergunte, exactamente o que é que não é eticamente correcto? Também costuma ficar em mesas de voto, Sr. "Paulo Rui"?
Este post do Pedro Aniceto não é eticamente incorrecto. Sendo certo que ele há coisas éticas que são incorrectas. Sabe o que acontece ao voto inutilizado? Em bom rigor, sabe o que acontece de todo aos votos? Baralhado? Também eu, Sr. "Paulo Rui", também eu, Sr. "Paulo Rui".

Paulo Rui disse...

Sra. Dona Patricia. Nao estive numa mesa de voto mas voto e votarei. E nao me agradaria nada votar numa mesa de voto onde sei que esta alguem que, se eu por acaso me enganar e inutilizar o meu voto, vai vir para a praca publica a dizer em que quadradinho eu tinha posto o meu voto por engano. Principalmente se fosse numa freguesia pequena como aquela a que se refere o caso.

Paulo Rui disse...

Mas isso agora ja nao e' assunto meu. (Escusa de responder, Exma. Senhora Dona Patricia, pq eu tenho mais que fazer e nao voltarei a este blog). A questao agora pertence 'a Comissao Nacional de Eleicoes. Eles que decidam se a democracia foi lesada ou nao. Nao me apetece estar a discutir isto muito, menos online

Fernando disse...

Que será que este Sr. Paulo Rui, ou Rui Paulo (Patrícia Lousinha, ajude-me!) veio fazer aqui ao blog, uma vez que ameaça que não volta?

E, já agora, será interessante o Pedro publicar o veridicto da CNE sobre esta inconfidência rosárica...

(epá, será que também eu já disse demais?...)

Manel do Outeiro disse...

Mas este "Paulo Rui" é parvo ou quer fazer-se passar por tal??
Primeiro uma eleição é um acto público, como tal é público tudo o que a elas está relacionado, com excepção do voto (o boletim que é depositado na urna). É óbvio que se uma pessoa entrega um boletim inválido para troca, todos sabemos (em mesas de pequenas localidades) que foi o senhor A ou senhor B, não sabemos em quem ele afinal votou, nem o que o levou a anular o boletim. O que foi apresentado aqui é uma leitura pessoal... que até pode estar errada!
Não sei se é significativo... mas já conto no "currículo" com mais de uma vintena de presenças nas mesas eleitorais...