02 outubro 2009

Que Deus o ajude

Chegou-me aos ouvidos que o novo Director dos Serviços de Informática da Presidência da República, José Luís Machado Seruya é Licenciado em Teologia.

16 comentários:

Rui Luna disse...

Como esse hà muitos chefes de divisoes de informática que tem cursos de outras coisas, ou nem os têm...

Luís Miguel Silva disse...

A verdade é que, neste país medíocre, o que importa é ter uma licenciatura em qualquer coisa.

Nuno Abrantes disse...

Não tenho nada a dizer da "reflexão" que é na linha do seu escritor :)

Os comentários é que são desastrosos ao associarem uma licenciatura à capacidade de alguém executar uma qualquer tarefa, ignorando o conhecimento empírico ou a sua capacidade de actuar fora da sua escolha académica.

Eu com a minha licenciatura em Relações Públicas arrumo muito engenheiro que anda para aí e um dos melhores arquitectos de sistemas que conheço vem de belas artes...

Acordem pá.

morski pas disse...

E ainda fazem perguntas completamente estúpidas (desculpa o meu francês) como:
É possível alguém do exterior aceder ao meu email??????
NÃO SR. PRESIDENTE....a informática é de facto a coisinha mais segura que se criou..
Que totós, por favor!!!
Bom fim de samana :)
Aliás a Teologia é sempre necessária nestas situação...eu que o diga, lol!

125azul disse...

E? Pelos vistos, andar há uns 30 anos a trabalhar em informática e a ser reconhecido por isso não quer dizer nada. Já agora, o sr. Aniceto, que canudo tem para exercer a sua profissão?

Uma licenciatura em Teologia pode muito simplesmente querer dizer que a pessoa quis a algum momento saber mais sobre... teologia. E, acredite, para quem acha que a vida é mais do que um certo mundo, um plano de estudos assim pode ser muito mais proveitoso a nível pessoal do que qualquer outro plano de estudos universitário.

Se depois de uma licenciatura em Engenharia Informática, este senhor tivesse feito uma outra em Administração e Gestão de Empresas, ninguém diria nada e achariam mesmo que o senhor era muito inteligente e dedicado e válido para o mundo empresarial. Porque escolheu um curso que beneficia principalmente a sua evolução pessoal, caem-lhe em cima.

sangueazul disse...

Calma!...será que o curso de TEOLOGIA foi tirado nas "Novas Oportunidades" ?

Pedro disse...

Porque é que estão a bater neste post? Não dá para perceber que o comentário que o Sr. Aniceto fez encaixa religiosamente no que se tem passado últimamente? (see what I did there?:)) Que Deus o ajude e o salve de alguma bronca que possa a vir a acontecer... nada mais do que isto. Se estiver enganado quanto a esta conclusão, agradeço que me avisem.

kincas disse...

Ele apenas "reza" para que o PR deixe de ter cismas parvas. Para que se livre da mania da perseguição.
E pede a Deus que lhe dê muita paciência para o aturar.

Fernando disse...

Bom, já tivemos um Ministro da Defesa e dos Assuntos do Mar que, porque uma 'maré negra' não atingiu o norte de Portugal, disse que tinha sido devido à protecção da Senhora de Fátima...

De qualquer, modo não é o Director que executa. Ele limita-se a dirigir, a receber os (e não 'dos') potenciais fornecedores de equipamentos e serviços. Estes, por sua vez, subcontratam em outsourcing quem irá executar.

Portanto, se um director tiver de rezar para que tudo corra bem, acho que uma licenciatura em Teologia até é capaz de fazer sentido... se se tratar de um sacerdote, então, haverá uma maior garantia de que tudo o que decidir será abençoado, e irá funcionar na graça do Senhor.

Joao disse...

Já alguém se lembrou de perguntar ao presidente como é que ele, o próprio, reenvia os mails, para quem os envia, como os envia, etc…
Às tantas foi ele mesmo que enviou os mails para o endereço errado.
Não vá o diabo tecê-las, com curso de Teologia e tudo, tirado na independente. Ah, Teologia técnica.
Quanto à competência, não costuma fazer parte dos atributos de uma licenciatura, mas sim da personalidade.

Fernando disse...

O Nuno Abrantes afirma que, com licenciatura que tem em Relações Públicas, arruma muito engenheiro. O que quererá isto dizer?
Nuno, pode ser mais específico? Que engenheiros arruma?
- Electrotécnicos
- de Máquinas
- de Telecomunicações
- de Sistemas e Computadores
- Navais
- Alimentares
- Navais
- Químicos
- Civis
- Aeronáuticos
- de Produção
- etc.
(estes são os que me lembrei, assim de repente...)
E arruma-os em quê?
Obrigado desde já pelo esclarecimento.

Luís Miguel Silva disse...

Fernando: arruma-os em assuntos relacionados com coisas públicas :oP

Esta fez-me lembrar uma amiga Enfermeira que diz "eu também tenho de fazer trabalhos de investigação no meu trabalho"...

Questionei-a sobre "o que?" e ela engasgou-se sem saber o que responder.

Com isso conclui que há pessoas que fazem "trabalhos de cenas sobre coisas relacionadas com os mais diversos assuntos!" ;o)

Nuno Abrantes disse...

Estamos a falar em Sistemas de Informação, mas eu referia-me a Engenharia mecanica...

Foi má ideia falar de mim. Não preciso de provar nada em blogs, as minhas provas são dadas nos locais indicados, não aqui.

Mais uma vez (e pela última vez), associar um bom desempenho em qualquer coisa (existem situações que claro precisam de um percurso académico, como medicina) assente na teoria que é apenas porque foi para a faculdade é errado e na informática e gestão temos muitos exemplos disso mesmo.

Não percebe quem não quer perceber. Não vou perder mais o meu tempo com isto.

vd disse...

a segurança informática é uma questão de fé. está provado.

Fernando disse...

Nuno, não precisa ficar crispado com um mera pergunta. Eu perguntei exactamente porque quero perceber, uma vez que não sou apoiante da ‘achologia’*. E de maneira nenhuma estou a ‘atacá-lo’ a si, ou a alguém.

Infelizmente, dá-se pouco valor à experiência. É perfeitamente natural que a um recém-formado, apesar de vir ‘cheio’ de teorias (e de caganças), lhe falte a componente prática, a experiência de campo. Caberá às instituições de ensino mentalizar os seus alunos para isso, coisa que não fazem. E caberá aos próprios alunos ‘pensar’ e perceberem, por si próprios, que a experiência daqueles que há muito trabalham numa área é extremamente valiosa.

Pressuponho que o Nuno terá uma extensa experiência profissional na área de conhecimento da engenharia mecânica, o que lhe permitirá “arrumar muito engenheiro que anda por aí”, sendo assim uma pessoa valiosíssima (estou a escrever isto sem a menor ironia). E qualquer engenheiro mecânico que o conheça e não o escute, ou consulte, estará a desperdiçar conhecimento e experiência, coisas extremamente valiosas.

Termino dizendo apenas que, apesar de eu ser uma pessoa atarefada, - quem não o é, hoje em dia – ‘invento’ sempre um tempinho para contribuir aqui e noutros lados. E não considero que esteja a perder o meu tempo.

* linha de pensamento, ou ciência, do ‘acho que…’

Nuno Abrantes disse...

Olá Fernando

Sim fiquei um poupo, mas já me passou.

Estava a ser irónico e estava mesmo a referir-me a tecnologias de informação. :)

Só me aborreceu porque os primeiros 2 comentários são na minha opinião muito depreciativos, mas cada um tem obviamente a sua opinião. Só gostava que "olhassem" de outra perspectiva e possívelmente poderia te-lo feito de uma maneira mais simpática.

Entetanto encontrei no JN algo interessante:

"Está desde os anos 80 ligado à computação, tendo trabalhado como analista-programador na UNICRE. Consta na lista do CEGER, de Janeiro de 2009 como prestando apoio técnico na gestão de projectos e como gestor do Portal do Governo."

Já agora convém mencionar que achei o "post" engraçado, alias como a maioria do autor.

E Fernando, sim tem razão não é uma perda de tempo.

Over & Out