22 novembro 2009

The hunt for the Black November

Desapareceu das mãos do seu legítimo proprietário um iPhone 3G Black com o número de série 86826GS6Y7H e com o IMEI 011612009564047 que o dono (e eu mesmo) tem todo o interesse em recuperar. Informo que a monitorização de movimentos do telefone por GPS está a ser feita neste preciso momento e que as autoridades (ou nós mesmos) avançaremos para a respectiva recuperação e procedimentos criminais assim que a respectiva localização for efectuada sem quaisquer dúvidas. Existe no entanto a possibilidade de resolvermos isto pacificamente se o seu ilegítimo detentor (ou alguém por ele) tiver o bom senso de o devolver ou me contactar pelo número 93 880 18 40 ou ainda enviar o mesmo de forma anónima pelo correio para Pedro Aniceto, Rua Luís de Camões, 27A, 2860-633 Gaio Rosário. Os contactos do proprietário foram enviados com sucesso para o telefone via serviço MobileMe, pelo que no caso das autoridades o recuperarem, o procedimento criminal prosseguirá até às últimas consequências.
O telefone está neste momento já bloqueado ao uso em pelo menos um operador.

À restante comunidade peço que no caso de encontrarem algum possível negócio de iPhone usado, confiram o número de série ou IMEI e em caso de detecção do telefone me contactem por qualquer das vias acima, pelo Twitter ( @pedroaniceto ) ou através do email aniceto@mac.com

Agradeço desde já a máxima difusão deste anúncio.

3 comentários:

fvr disse...

Um iPhone não é apenas um telemóvel, passou a parte integrante da nossa vida por isso compreendo quanto deves estar chateado com a perda.
Estarei atento Pedro e desde já um abraço de solidariedade!
Francisco Velez Relvas

fvr disse...

Um iPhone não é apenas um telemóvel, passou a parte integrante da nossa vida por isso compreendo quanto deves estar chateado com a perda.
Estarei atento Pedro e desde já um abraço de solidariedade!
Francisco Velez Relvas

Miguel disse...

Acredito que esta situacao seja muito chata, e acho bem teres actuado em conformidade. No entanto, penso que com o sistema judicial que temos não ha MobileMe ou GPS que te salvem...
Mesmo assim gostaria de saber o desfecho desta historia.
Um abraco