08 fevereiro 2010

A origem das expressões

Pede-me o leitor Carlos Dias que lavre um "A origem das expressões" muito específico. No caso o leitor pretende saber a origem da composição "Doutor da mula ruça". Esta expressão. usada regularmente em Portugal, é dirigida em tom sarcástico e pejorativo às qualificações académicas do visado. Tem exactamente a mesma carga irónica da popular expressão "Engenheiro de obras feitas", desqualificando as habilitações de um profissional. Verdadeiramente saboroso e não menos sarcástico é que o "Doutor da mula ruça" existiu na realidade. Em 1534, o livro da Chancelaria de El Rei D.João III refere explicitamente a sua existência. António Lopes, que exercia medicina na cidade de Évora, cidade onde aliás D. João era visita frequente, terá alegadamente estudado medicina em Alcalá de Henares de onde transitou para Portugal. Sem conseguir exibir uma prova factual do respectivo curso, era frequentemente contestado pelos então denominados físicos diplomados que o tentavam desacreditar profissionalmente. Dirigiu então António Lopes uma petição ao Rei, pedindo-lhe que o seu médico principal pudesse testar os seus conhecimentos de ciência médica, facto que terá efectivamente ocorrido segundo o extracto do livro da Chancelaria que mencionei há pouco:

"Dom Joham 3º a quantos esta minha carta virem faço saber que o doutor António Lopes, físico de Évora, me apresentou ua carta do doutor Diogo Lopes, meu físico moor, de que o theor de verbo é o seguinte: O doutor Diogo Lopes, comendador da Ordem de Christo e físico moor del Rey Nosso senhor em seus regnos e senhorios, faço saber a quantos esta minha carta de doutorado virem como por António Lopes, físico da mula ruça, morador em esta Évora, me foy apresentado hum allvará dellRey nosso senhor, por sua alteza assygnado e passado per sua chancelaria do qual o trellado he o seguinte: Eu ell Rey faço saber a vós Doutor Diogo Lopes seu fisico moor, que António Lopes, físico da mula ruça, morador en esta cidade, me dice por sua petiçam que elle estudou nove ou dez annos no estudo de Alcala de Henares."

4 comentários:

José António Baptista disse...

1534...?!
Ah, então afinal já é tradição e por isso é que há tantos. LOL

João Fernandes disse...

Caro Sr. Pedro Aniceto.

Gostaria de lhe dar os parabéns pelo seu blog! Gosto muito do conteúdo e agora que tomei conhecimento vou estar sempre atento, especialmente esta rubrica.

João Fernandes

Pedro Aniceto disse...

Obrigado, João! Volte sempre.

Júlio Vaz de Carvalho disse...

Amigo, esta tive de "roubar", ehehehehe