15 setembro 2011

Coisas que eu bebo


Eu não suporto críticas de vinhos. Bebi Curva Branco Reserva. É um Douro DOC, castas Fernão Pires e Viosinho (que eu não reconheceria se por elas passasse na rua...). Garrafa interessante e incomum (só conheço a bordalesa). É tecnicamente um vintage e um dia um técnico explicar-me-á porque é que um vintage tem de conter sulfitos. Já sei, todos os brancos contém sulfitos e daqui por duas ou três horas o meu estômago reclamará, coisa que não sucede com os tintos (coisa que um médico será também capaz de me explicar...). Aromático o suficiente para me lembrar de outras regiões mais a Sul, é um vinho entusiasmante a pedir novas provas. Poderosíssimo para um branco (14%), requer alguma moderação no consumo, sob pena de eu não conseguir acabar esta crít...

7 comentários:

c. disse...

belo relato! mas pelo nome penso não faria muito sucesso para os lados da Hungria, Polónia, Rússia...

http://www.urbandictionary.com/define.php?term=curva

Pedro Aniceto disse...

Eu sei, eu sei, e já avisei o produtor... ;)

Patricia Lousinha disse...

Os 14 que valem a pena…

zone41 disse...

Estás para as curvas no que toca a notas de prova de vinhos :D

Luís Ferreira disse...

Caro Pedro, todos os vinhos contêm sulfitos –antioxidante – e o facto de surgir descrito nos rótulos "Contém sulfitos" é uma imposição legal para a generalidade dos mercados (Europeus/ Americano/Brasil...).
Muitos outros produtos alimentares contêm sulfitos – os queijos, sumos, frutos secos –, só que não existe essa imposição para a rotulagem.
Os seus problemas de estômago com o vinho estarão seguramente relacionados com o processo de elaboração e estágio dos vinhos, o ph ou a acidez (esta informação nem sempre está acessível nos rótulos).

NOTA: a garrafa do Curva é uma "bordalesa tronco-cónica".

Simão de Deus Correia disse...

Ah.....nada como um Chateu Marteau.

"Produto das castas Arranca Pregos, Martelo de Orlehas, Chora que logo bebes, Vou ali já volto, Morde aqui a ver se eu deixo e Cantas bem mas não me alegras, este néctar foi devidamente tratado com os pés em ambientes de adega felizmente livres de qualquer controlo comunitário.
Acompanha bem sandes de torresmos, Couratos, Bifanas, Jaquinzinhos fritos e caracol marroquino riscadinho.
Foi este vinho envelhecido em cubas de akuminio francês e de uma produção de mais ou menos duzentos litros. Cou a esta garrafa o número 1. O resto continua nos garrafões.

Pedro Aniceto disse...

Obrigado Luís, pelas explicações. Efectivamente os brancos têm uma digestão "pior" que os tintos e atribuo isso mesmo à acidez. Abraços