24 setembro 2009

Gente

Trabalho há demasiados anos em informática para não deixar de notar que, por norma, quando dois profissionais deste mesmo ofício se encontram, daí resulta uma quase imediata luta de egos na defesa da respectiva dama. É quase sempre inevitável um certo ambiente quase hostil, sobretudo se estivermos a falar de gestão de produtos concorrentes entre si. Quando, num desses momentos (infelizmente demasiado raros) tal não sucede, acontece aquilo que é suposto acontecer entre gente racional e civilizada: Boa disposição e cooperação naquilo que está ao alcance de cada um e do respectivo produto. Por serem raros, esses momentos devem ser assinalados e os "culpados" devem ser nomeados pelos respectivos nomes. É isso mesmo que aqui quero fazer. Enaltecer a simpatia, profissionalismo e boa disposição de Margarida Caparica e Miguel Pedro da Nokia com quem esta semana tive o prazer de me encontrar num dos tais raros momentos.

1 comentário:

Fernando disse...

Esse é um fenómeno sociológico do qual já me apercebi, quiçá por também eu trabalhar há já muitos anos com informática.

Parece uma competição entre machos candidatos a dominantes, a qual, na natureza, termina muitas vezes com uma luta.

A classe dos 'informáticos' é, infelizmente, pouco unida ou solidária (já para não falar da ética), uma classe em que todos os meios podem ser - e são - usados para atingir determinados fins.

Se a classe médica fosse assim, decerto assistiríamos a duelos em que a arma seria talvez o bisturi, a cureta ou a seringa. Ou então seriam disparados comprimidos, cápsulas e supositórios, utilizando-se para isso dispositivos em que a propulsão seria conseguida com recurso aos tubos de borracha das algálias ou dos estetoscópios.