31 agosto 2010

Engenharia para leigos

Pede-me o leitor António Neves que tente arranjar uma explicação tecnológica para este artefacto, encontrável numa das saídas de peões para o exterior de um parque de estacionamento automóvel da cidade de Aveiro. Ora. apesar de necessitar de uma fotografia com um plano mais abrangente, diria que, pelas marcas na parede e pela falta de remate nas peças visíveis no plano superior, existe uma infiltração que estará a afectar equipamento (ou equipamentos) que possam estar no plano inferior (não visíveis). Na tentativa de limitar danos, e visando concentrar o fluxo de líquidos, a montagem do funil na placa, permite desviar a água (ou whatever) e fazê-la cair num só ponto. Confesso que eu, jovem emgenheiro em potencial porém sem o canudo (que neste caso faria literalmente muita falta), estou muito mais curioso com a placa propriamente dita do que com a solução (existe uma em Lisboa, numa estação de Metro, bastante mais elaborada que esta). Não são muitas as palavras da língua portuguesa que terminam em "bal", pelo que se me afigura curioso e digno de reflexão pensar no que é que uma placa que teoricamente poderia dizer "Setúbal", está a fazer em Aveiro... Também me preocupa o araminho. Se é verdade que estabiliza o conjunto, uma pendência de alguns graus para o exterior da parede, proporcionaria maior eficácia na recolha e canalização da água.

5 comentários:

A. R. Ray disse...

"Pombal"??
Mais perto de Aveiro que Setubal!

Bernardo disse...

Eu explicarei: trata-se de uma infiltração na coluna dos serviços de incêndio, junto à boca de saída das instalações. O problema na reparação destas situações é que obrigao ao levantamento dos asfalto do piso superior, e de substituição provisória do abastecimentos dos SI. Estes facto, para além de importar enormes custos, obriga a uma autorização especial que passará por 4 entidades. A saber: Bombeiros, Câmara, Empresa de Águas e Proteção civil. Por estas razãoes, e mais algumas que contemplam um novo projecto de incêndio e um novo projecto de segurança, levam a que certas situações sejam resolvidas desta forma ad eternum. Assim por alto, cada vez que se pensa em arranjar este pinga pinga, lembra-se automaticamente de 2 anos de espera, várias horas, muito papel para cá e para lá, e sensivelmente 60 mil euros (dependendo da area total do projecto). Valerá a pena resolver, ou será melhor deixar pingar civilizadamente para um balde? :) Cumprimentos

kincas disse...

Para substituir um vedante numa válvula ou mesmo a válvula não creio que seja necessário um requerimento ao Papa.
Penso eu de que.

Bernardo disse...

Pensa mal... Para já não é um vedante, se reparar é necessário a extração de toda a boca inserida na parede, partindo a parede, para chegar lá. Depois, como a válvula de corte esta a montante desta fuga, são necessários todos os passos que indiquei. Se tem dúvidas, peça-me o projecto e eu apresento-lhe a conta. :)

Fábio disse...

obrigam... deu-me a pulga!